O Latin American Public Opinion Project (LAPOP) aplica a cada dois anos um questionário em diversos países da América Latina. Uma parte destas perguntas investiga a confiança que as pessoas afirmam ter pelas suas instituições. Os dados estão disponíveis gratuitamente na página do LAPOP. Aqui vou examinar apenas as respostas aos questionários aplicados no Brasil em 2017.

Confiança média nas instituições

Os entrevistados são questionados quanto a sua confiança num rol de instituições e devem atribuir um número, de 1 a 7, para cada uma. Primeiro vejo a confiança média dos indivíduos.

Confiança nas instituições (distribuição)

Visualizando a distribuição das respostas vemos que algumas categorias como partidos políticos e congresso nacional têm uma forte concentração de respostas 1 (“não confia”). Por outro lado, a população parece ter muita confiança nas forças armadas.

Democracia

Pouco amis de dois terços da população se diz insatisfeita ou muito insatisfeita com a democracia. Apesar disso a maioiria ainda parece concordar que a demorcracia é a melhor forma de governo.

Impeachment

Há situações em que o impeachment é justificado? O impeachment da ex-presidenta Dilma Rousseff polariza as opiniões dos entrevistados: pouco mais de 30% concorda fortemente que o impeachment foi justo, enquanto 20.5% toma a posição diametralmente oposta.

Ideologia no Brasil

O questionário também pede que o entrevistado se indentifique no espectro político, numa escala de 1-10, em que 1 = esquerda e 10 = direita. Ainda que este tipo de medida seaj problemática podemos usá-la para ter uma noção se as respostas acima variam de acordo com a forma como os indivíduos se autoidentificam ideologicamente. As respostas estão bastante dispersas, mas parece haver uma maior concentração em torno do “centro”.

Confiança nas instituições e ideologia

Podemos agregar um pouco os dados anteriores e ver se a ideologia declarada de um indivíduo tem relação com a sua confiança em instituições. Aqui considero

\[ \text{ideologia} = \begin{Bmatrix} \text{esquerda,} & \quad 1 = l_{1}\leq 3\\ \text{centro,} & \quad 4 \leq l_{1} \leq 7\\ \text{direita,} & \quad 8 \leq l_{1} = 10 \end{Bmatrix} \]

O gráfico anterior passa a ideia de que pessoas que se declaram de direita tendem, em média, a confiar mais nas instituições listadas. Já os que se identificam mais com ideologia de esquerda parecem confiar menos nas instituições que os demais. O gráfico, contudo, está um pouco abarrotado pois há categorias demais. Como muitas delas são redundantes, pois o mesmo padrão se repete para todas as perguntas, pode-se diminuir o número de categorias para facilitar a visualização.

Democracia e ideologia

Impeachment e ideologia

Aqui aparece um resultado um tanto surpreendente. Mesmo os indivíduos que se autoidentificam com ideologias de esquerda parecem estar divididos quanto ao impeachment.

O gráfico abaixo considera as respostas para a mesma pergunta mas separa apenas aqueles que disseram ser simpáticos ao Partido dos Trabalhadores (PT).

Podemos estender esta análise para outros partidos de esquerda (PSol, PCdoB, etc.).

Um grave defeito desta análise é de que a maior parte dos entrevistados () não simpatiza com algum dos treze partidos listados no questionário. As opções listadas são PT, PMDB, PSDB, PSB, DEM, PCdoB, PPS, PTB, PSOL, PP, PL, PV e PDT.

Partido Simpatizantes (%)
PT 9.01
PMDB 3.00
PSDB 1.76
PSB 0.39
DEM 0.13
PCdoB 0.07
PPS 0.07
PTB 0.07
PSOL 0.46
PP 0.20
PV 0.33
PDT 0.20
Outro 1.70
Não sabe ou não responde 82.64

Por fim, podemos ver como se comparam as respostas quanto aos partidos e quanto à ideologia. Este resultado sugere que há uma distinção entre os conceitos usuais de esquerda/direita o que os entrevistados interpretam como esquerda/direita. Abaixo está o mesmo gráfico de distribuição ideológica, apresentado acima, mas agora separada pelos partidos. Note como há casos curiosos, por exemplo, de simapatizantes de partidos de esquerda que se autodeclaram como de direita ()